quarta-feira, 30 de abril de 2014

Altruísmo contra a depressão (?)


O jornal Proceedings of the National Academy of Sciences (Pnas) publicou, semana passada, um estudo onde foi afirmado que jovens entre 15 e 16 anos que gostam de se engajar em atividades sociais tem chances menores de desenvolver depressão. Isto porque nesta idade é muito maior a intensidade do prazer relacionado ao sentimento de recompensa. Em síntese, a pessoa se sente melhor fazendo o bem ao próximo de uma forma mais enfática neste período de vida do que em qualquer outro. 

Os pesquisadores analisaram a atividade no estriado ventral, parte do cérebro responsável por regular o prazer quando relacionado à recompensa, enquanto os adolescentes realizavam um desafio em que podiam doar dinheiro a alguém necessitado, ficar com ele ou ainda tomar investir esperando conseguir mais. No período de um ano foram analisados sintomas de depressão relacionados à decisão tomada por cada participante. O resultado disso foi que, aqueles adolescentes que investiram o dinheiro desenvolveram sintomas acentuados de depressão; em contrapartida, aqueles que doaram à entidades sociais não tiveram quase nenhum sintoma da doença. "É interessante que a mesma área do cérebro pode prever prejuízos ou incentivos ao bem-estar", afirma uma das pesquisadoras.

Achei esta pesquisa interessante do ponto de vista de melhorias para uma melhor qualidade de vida, mas dizer que isso acontece através de atos altruístas não entra na minha cabeça pelo simples fato de que: Tanto as pessoas que investiram o dinheiro quanto aquelas que doaram, ambas buscavam a realização própria. O diferencial é que aquelas que investiram buscaram isso através de um meio que a sociedade, de um modo geral, julga egoísta; mas esta mesma sociedade não leva em conta também que quando algum dinheiro é doado a alguém ou a instituições sociais, grande parte das pessoas que o fazem buscam reconhecimento, nem que seja particular. E isso não deixa de ser egoísmo. De altruísmo não tem basicamente nada. E isso inclui aquelas que fazem doações anônimas. Essas doações geralmente nunca ficam 100% no anonimato e mesmo que ficassem, só o fato de a pessoa se sentir "superiorizada" ou "pessoalmente realizada" com aquela atitude de doação, já desbanca qualquer possibilidade de existir altruísmo. 

                            

Em um episódio de Friends, a personagem Phoebe discute o tempo todo com o Joey com relação a atos altruístas. Quando o Joey diz pra ela que toda ação altruísta na verdade visa algum tipo de reconhecimento, ela se empenha em tentar provar o contrário. E no final, acaba não conseguindo. 

Ajudar o próximo sempre foi e sempre será uma atitude reconfortante do ponto de vista interno e externo. E não existe mal nisso. Assim como não existe mal também em você querer aplicar seu dinheiro ao invés de fazer uma doação. Fazer bem ao próximo SEMPRE vai ser algo bem visto independente se há ou não algo por trás desta atitude. Isto porque a sociedade já impôs este tipo de pensamento. Assim também funciona no contrário. O que importa, no final das contas, é a forma como você vai estar consigo mesmo sem se deixar abater por possíveis julgamentos externos. Esses sim são os grandes responsáveis por depressões e doenças de todo o tipo. 

segunda-feira, 28 de abril de 2014

10 lugares sustentáveis para viajar

Gente, estou reativando meu blog, e desta vez pretendo fortemente não desativá-lo mais. Vou tentar postar pelo menos duas vezes por semana, e desde já agradeço aos meus seguidores (as) que se manteram "fiéis" ao meu espaço (aposto que a maioria não sumiu por que tinham até esquecido meu blog, espertinhos hehehehe). Espero conhecer mais pessoas e me tornar conhecida, na medida do possível! Estou abrindo espaço através do meu e-mail (ali no ladinho ->) para quem quiser mandar relatos, sugestões de pautas, críticas (construtivas) e ainda quem quiser fazer parceria. Conto com a presença de todos vocês e novamente agradeço de CORAÇÃO a presença de cada um.

Maaas, vamos ao post, hehe.

Hoje li uma matéria no site da organização Ethical Traveler sobre os 10 lugares mais sustentáveis para se viajar e eu fiquei maravilhada, uma vez que amo viagens! A organização sem fins lucrativos visa o turismo de forma econômica e sustentável. O pessoal fez um estudo detalhado com base em fatores que proporcionavam, principalmente, a preservação do meio ambiente, focando na proteção do mesmo. O resultado vocês conferem abaixo (ordem alfabética):


Bahamas

Barbados

Cape Verde

Chile

Dominica

Latvia

Lituânia

Mauritius

Palau

Uruguai


E aí gente, qual vocês preferem? Vamos arrumar as malas!?